Apucarana

Faleceu em Apucarana Sr. Pedro Preto; pai do ex-prefeito Beto Preto

Compartilhe no WhatsApp

Faleceu em Apucarana, nesta quinta-feira (6) o Sr. Pedro Agostinete Preto, pai do ex-prefeito Beto Preto e atual secretário da saúde do Paraná. Considerado um dos pioneiros da cidade, completaria 80 anos mês que vem.

Ele vinha lutando há meses com problemas de saúde, e morreu por insuficiência cardíaca, no Hospital da Providência, onde estava internado.

O velório acontece a partir das 11h30 no plenário da Câmara dos Vereadores de Apucarana. O sepultamento ocorre às 17h30, no Cemitério Cristo Rei. Vários secretários de Estado devem comparecer ao velório para prestar condolências ao pioneiro e também ao filho Beto Preto. Também é esperada a presença do governador Ratinho Junior.

Pedro Preto, além de ter sido um dos pioneiros da cidade, também foi vereador. Outra atuação destacada no município foi junto à associação beneficente Ferra Mula, a qual ele foi membro durante muitos anos.

PRESO POLÍTICO

Em 2013, Sr. Pedro Pedro que foi uma das vítimas da ditadura prestou depoimento durante a segunda audiência pública da Comissão da Verdade do Paraná, no Cine Teatro Fênix, em Apucarana.

O apucaranense Pedro Preto lembrou bem dos momentos difíceis que ele e outros companheiros passaram durante o regime da ditadura militar. Em 1975, ele foi preso em casa à noite, com 36 anos de idade, na frente da esposa Maria Tereza e dos filhos Beto Preto, com 7 anos e meio de idade, e Luciana, com 5 anos.

A prisão foi feita por agentes da DOPS, de Curitiba, sob o comando do capitão Ismar Moura Romariz.Também foram presos outros companheiros, como José Caetano de Souza e Ceslau Raul Canievski, acusados de tentar organizar o Partido Comunista na cidade.

Naquela época, não se podia falar em políticas nos bares ou entre amigos. No caso de Apucarana,eles foram acusados de discutir a criação do PCB dentro de um Fusca, o que não era verdade. Pedro Preto diz que houve apenas uma reunião numa chácara, onde eles foram ouvir uma pessoa comunista de São Paulo que passou pelo Norte do Paraná para expor as ideias do partido.

Mais tarde esta pessoa foi presa em São Paulo. Eles foram levados para Curitiba, onde primeiro ficaram num quartel militar e depois transferidos para a prisão do Ahu. Ali os presos vestiam apenas uma bata, sem nenhuma roupa por baixo, e eram torturados durante depoimentos. Pedro Preto diz que não passou por tortura porque um dos torturadores, Pedro Maislowski, havia sido delegado de polícia em Apucarana e o reconheceu.

“Quando ele me viu, ele salvou a minha pele”, declara. Pedro Preto ficou preso por sete meses e um dia, quando foi relaxada a sua prisão preventiva. Nesta mesma época foi dada anistia para os presos políticos. “Tiraram sete meses da fase mais produtiva da minha vida, foi muito difícil”, afirmou Pedro Preto, que na época tinha uma imobiliária e cursava Direito em Tupã-SP.

Ofertas Molicenter – até 17/11

Farmácia São Lucas

Encontro de Violeiros – Canal 38

Molipark – Reservas (43)99657-0277

Inauguração Obras Rua Pavão

Rádio Gospel Hits

Solução Informática e Tecnologia

Jornal Edição de Notícias