Ocorrência Policial

PM teria chamado a esposa de “louca” e ameaçado ir embora com o filho

BlurImage(14-8-2016 10-14-50)

Em depoimento com duração de mais de três horas, Ellen Homiak Federizzi, confessou o assassinato do marido, policial militar Rodrigo Federizzi e revelou o que a motivou a cometer o crime.O corpo da vítima foi encontrado no último domingo (14/08) em Araucária, no Paraná (PR). De acordo com informações do portal Banda B, a mulher contou que matou o marido porque ele teria chamado ela de ‘louca’ durante uma discussão e ameaçado ir embora de casa com o filho.

Segundo o portal de notícias, ela detalhou a sequência de acontecimentos que culminou na morte do policial. A confissão deixou os investigadores chocados. Ellen relatou que o relacionamento estava em crise há 10 anos. Embora ela tenha afirmado que foi motivada pela discussão, a polícia observou alguns detalhes que levam a acreditar que a morte do policial foi premeditada.

Federizzi foi morto com um tiro na cabeça e teve suas pernas decepadas. Após o crime, a mulher colocou o corpo em um saco plastico e enterrou em uma chácara.

DETALHES DO CRIME
Ellen relatou à polícia que matou o marido na manhã de 28 de julho, e depois registrou um boletim de ocorrência de desaparecimento.

Ela confessou que assassinou Rodrigo com um tiro na cabeça, enquanto ele estava dormindo.Em seguida, segundo depoimento oficial, ela foi até a cozinha e começou a cortar as pernas da vítima usando uma faca de caça que estava na gaveta. No entanto, quando chegou até o osso, segundo depoimento dela, teria optado pela serra.

Ellen disse que colocou o corpo do marido em duas malas e desceu até o estacionamento. Nessa hora, ela contou que o filho brincava no playground do condomínio. O corpo foi enterrado em uma chácara.

Solução Informática