Ocorrência Policial

Megaoperação integrada cumpre mandados contra facção criminosa em todo o Paraná

militarxcivil

As polícias Civil e Militar do Paraná deflagraram nesta quinta-feira (15) uma megaoperação contra membros de uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios. Mais de 1.500 policiais estão mobilizados na megaoperação batizada como Alexandria, que visa cumprir 757 mandados de prisão e quatro de busca e apreensão. A ação acontece em Curitiba, municípios da região metropolitana, em mais 72 cidades do interior do estado e em oito unidades prisionais do Paraná. A operação conta com o apoio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e do Departamento de Execução Penal do Paraná (Depen).

Os alvos da ação policial são membros de uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios. Por decisão do Poder Judiciário, 237 telefones serão bloqueados, assim como 28 contas bancárias que, além do bloqueio, terão os valores sequestrados.

A investigação começou em agosto de 2014 no Centro de Operações Policiais Especiais (COPE) depois que os policiais apreenderam diversos cadernos com anotações e detalhes da atuação da facção criminosa no Paraná. Foram interceptadas, com autorização judicial, mais de 30 mil ligações.

A polícia tem mais de 1.700 horas de conversas dos membros desta facção envolvendo doze estados: Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Alagoas, Ceará, Goiás, Santa Catarina, Pernambuco, Rio Grande do Norte. O conteúdo das conversas interceptadas mostra que diversos crimes foram cometidos em benefício da organização criminosa, como tráfico de drogas, roubos de carros e residências, tráfico de armas e homicídios.

CONCEITO – O nome da operação foi inspirado na Biblioteca Real de Alexandria ou Antiga Biblioteca de Alexandria, que foi uma das maiores bibliotecas do mundo antigo. Ela existiu até a Idade Média, quando supostamente foi totalmente destruída por um incêndio cujas causas são controversas. Nela continha praticamente todo o saber da Antiguidade.

Fonte: TNOnline