Notícias Geral

Material escolar fica até 93% mais caro em Apucarana

tn_b6226c27e3_tribuna-1d7ccad592c0c2488c5c

A lista de material escolar ficou, em média, 18% mais cara neste ano. Praticamente todos os itens subiram de preço, alguns ultrapassando os 90% de alta. Os produtos que ficaram mais caros são aqueles relacionados a papéis, como cadernos e pacotes de folha sulfite. De acordo com consumidores, as palavras-chave nas papelarias da região são pechinchar, adaptar e negociar com as lojas e também com os filhos.

Em pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Pesquisa (IBGE) em todo o Brasil, a alta do material escolar foi de 11,98% para o item caderno e de 13,36% para artigos de papelaria. Já a média do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 5,97% no mesmo período.

Em Apucarana, a Tribuna realizou um levantamento de preços em papelarias da cidade, cotando os itens mais vendidos. Foram 16 itens pesquisados. Os cadernos são os produtos com maior índice de alta de preços, mesmo os modelos mais simples. O de matemática brochura, por exemplo, subiu 93%, indo de R$ 1,50 para quase R$ 3. Já o de linguagem, também brochura, no ano passado saía em torno de R$ 1,10. Neste ano, o valor é de aproximadamente R$ 1,45, variação de quase 32%.

O pacote com 500 folhas de papel sulfite, tamanho A4, subiu R$ 4 em apenas um ano. O item, que custava pouco menos de R$ 15 no início de 2016, agora é vendido por cerca de R$ 18,50, alta de 26%.

“Os itens relacionados a papel foram os que mais subiram mesmo. Cadernos, folhas sulfite, livros, tudo aumentou bastante”, afirma Rosângela Tormina, proprietária de uma livraria e papelaria em Apucarana. Itens de papelaria receberam novas taxações do governo em 2016, o que influenciou no aumento dos preços. Outro item que subiu acima da média foi o conjunto de 12 canetas hidrocor, que custava menos de R$ 6 em 2016 e, atualmente, chega a R$ 9, alta de aproximadamente 55%. No levantamento, apenas o apontador caiu de preço, passando de R$ 1,65 para R$ 1,50 (-9%). O lápis preto e a caixa com 12 unidades de lápis de cor mantiveram os mesmos preços.

(Leia mais nas edições digital e impressa da Tribuna do Norte)