Notícias Geral

Professores do Paraná saem às ruas em protesto, mas descartam greve

tn_7fcfdf447f_greve-professores-delair-5

Objetivo da manifestação é cobrar do governo do Estado alteração nos contratos de PSS, entre outros itens –

A APP-Sindicato realiza ato de protesto nesta quinta-feira (17) em todo o Paraná. Neste dia de mobilização dos professores e funcionários os alunos da Rede Estadual de Ensino não terão aulas. Em Apucarana, na região norte do Estado, a mobilização acontece ao lado do platô da Praça Rui Babosa, na área central da cidade. Em Curitiba, o ato de protesto ocorre no mesmo horário, na Praça Santos Andrade, onde estão caravanas de professores e servidores públicos do Interior do Estado.
O professor João Luiz Calegari, diretor do Colégio Estadual Nilo Cairo e membro da da APP-Sindicato de Apucarana, na região norte do Estado, reitera que o objetivo da manifestação é cobrar do governo do Estado alteração nos contratos de Processo Seletivo Simplificado (PSS), progressões que os servidores afirmam ter direito a receber, dobra de padrão, mudança nos contratos de Processo Seletivo Simplificado (PSS) e pagamento do piso da categoria.

“MASSACRADOS” – “No dia 29 vai fazer um ano que fomos massacrados em Curitiba e queremos que o governo do Estado e os municípios paguem o piso salarial da categoria e o retroativo das promoções e progressões (plano de carreira), entre outras reivindicações, mas não há indicativo de greve, pelo menos por enquanto”, afirma Calegari.

No ano passado, a greve dos professores e servidores dos estabelecimentos de ensino público do Paraná teve adesão de 100 mil servidores e durou 29 dias. Professores e policiais militares entraram em confronto em Curitiba, durante manifestação no Centro Cívico, com uso de spray de pimenta, bombas de efeito moral e uso de balas de borracha. Alguns professores ficaram feridos e a PM afastou alguns policiais militares envolvidos na operação.
TN ONLINE