Notícias Geral

Endometriose afeta a produtividade e diminui perspectivas de crescimento profissional, alerta cirurgião ginecológico

Compartilhe no WhatsApp

Não é novidade que a endometriose afeta a qualidade de vida das mulheres. Porém, a pesquisa realizada pelo cirurgião ginecológico, Dr. Edvaldo Cavalcante, em parceria com oGapendi (Grupo de Apoio às Portadoras de Endometriose e Infertilidade), com 3 mil mulheres brasileiras portadoras de endometriose, revelou dados que comprovam que os prejuízos da endometriose vão muito além da saúde física.

A pesquisa revelou que 50% das brasileiras com endometriose se ausenta do trabalho de uma a três vezes por mês, cerca de 23% das entrevistadas já ficaram afastadas por mais de 15 dias e 14% revelaram já terem sido demitidas por causa da doença.

Os dados da pesquisa brasileira corroboram com as informações de estudos internacionais, como um publicado no periódico BMC Women’s Health que mostrou que ter endometriose leva a mulher a se afastar do trabalho ou a escolher trabalhos com carga horária menor. Estas escolhas, consequentemente, impactam na renda e no crescimento profissional destas mulheres.

Absenteísmo pode agravar o quadro
Para o médico Edvaldo, além das faltas ou afastamentos, é preciso considerar o absenteísmo. Com medo de perder o emprego ou oportunidades profissionais, muitas mulheres evitam faltar.

Porém, as dores ou outros sintomas da endometriose podem limitar a atuação destas pacientes no ambiente de trabalho. “Como nem sempre o empregador tem o entendimento sobre a doença e de seu impacto na saúde física e mental da mulher, esta é uma situação que pode reforçar o estigma da doença, como frescura, exagero, etc. Isso, inclusive, ficou evidente em nossa pesquisa”, comenta o médico.

Endometriose e transtornos mentais
O estigma, a dor e as consequências da endometriose na vida da mulher podem desencadear transtornos mentais, como depressão, ansiedade e estresse. Na pesquisa, metade das entrevistadas revelou que recebeu o diagnóstico de ansiedade de 34% de depressão. Entretanto, 62% das mulheres com endometriose não são orientadas a procurar apoio psicoterápico para lidar com a doença.

“Há estudos que mostram que nos próximos anos a depressão será uma das principais causas de afastamentos do trabalho. Portanto, como há uma relação importante entre depressão e endometriose, é um outro ponto de atenção que deve ser levado em consideração no tratamento da doença, já que pode também afetar a vida profissional da mulher”, comenta Dr. Edvaldo.

Tratamento e melhora da qualidade de vidaDr. Edvaldo chama a atenção para o fato de que na maior parte dos casos, a mulher pode levar uma vida normal, desde que seja acompanhada e tratada por um especialista. “A endometriose é uma patologia muito diversificada. Em geral, a dor ocorre em períodos específicos do mês, como nos dias que antecedem a menstruação. O tratamento clínico ou cirúrgico tem como principal objetivo melhorar o quadro doloroso. E na maioria das mulheres isso acontece”.

Alimentação e atividade física
Além do acompanhamento com o ginecologista, é ideal cuidar da alimentação, praticar atividade física e procurar gerenciar o estresse. A pesquisa mostrou que estas são estratégias adotadas pelas mulheres brasileiras com endometriose, assim como elas encontram ajuda nos grupos de apoio, como o Gapendi.

Fonte: Leda Sangiorgio – Assessoria de Imprensa – Agência Health

Molicenter Sup Ofertas 19-20-21/10

Molipark

Solução Informática e Tecnologia