Sonho Analítico

Drogas: um vilão ou um pedido de ajuda?

drogas

O uso de substâncias psicoativas é datado desde os primórdios da humanidade para diversos fins, inclusive para alterar a consciência na tentativa de alcançar um estado de êxtase, porém atualmente percebe-se um aumento no uso (e abuso) de drogas, tanto as “pesadas” e ilegais quanto às legalizadas como o álcool e medicamentos, por exemplo.

Diante disso médicos, educadores, assistentes sociais e psicólogos são convocados a de alguma forma construir respostas sobre o assunto, pois é difícil entender como que diante de tantas informações que temos hoje as pessoas ainda fazerem o uso abusivo de tais substâncias.

Quando uma pessoa vicia em alguma droga, seja ela qual for, não é bem na droga que ela vicia, ela vicia na sensação que aquilo lhe dá. O sujeito começa a fazer uso dessas substâncias porque há nele algum mal-estar, ou seja, há algo que não está bem e ele não sabe como lidar com isso. Então o uso da droga vem como uma resposta, é a forma que o sujeito encontra para lidar com aquilo que ele sente e é nisso que ele vicia.

O vicio é nessa sensação de bem-estar, é nessa sensação prazerosa ou até nesse “não sentir”, para o sujeito esse sentimento que está dentro dele é tão angustiante que ele por vezes prefere não sentir e é em busca dessas sensações que o indivíduo continua a fazer o uso, é em busca de toda essa “plenitude” que ele teve ao usar pela primeira vez. Entretanto é importante dizer que cada pessoa se relaciona com as drogas de uma maneira particular, para cada um essas substâncias possuem um significado próprio e muitas vezes essa é a única forma que o sujeito encontra para lidar com o seu sofrimento, por isso apesar de todo o mal ocasionado retirar esse uso de forma brusca e rápida pode ser extremamente violento para ele, além de ser uma aposta arriscada, pois isso pode ser a única coisa que sustenta aquela pessoa.

A sociedade empenha seus esforços em prevenção, tratamento, reinserção social e repressão ao tráfico, o que muitas vezes traz em seu discurso uma “recriminação” e não consegue perceber que este uso pode ser um pedido de socorro, o que é normal porque as pessoas não tem obrigação de saber sobre tudo isso que está por trás do abuso de drogas, mas saber sobre isso traz uma nova perspectiva, um olhar mais amplo sobre o assunto tanto para quem faz uso quanto para aqueles que estão a sua volta e a psicanálise trabalha justamente nesse sentido, ela vai além das implicações comportamentais e sociais, ela busca entender e também acolher o sujeito que faz uso dessas substâncias e oferecer outras possibilidades, mais expansivas, mais humanas, para que assim o sujeito consiga encontrar outras ferramentas para lidar com seus conflitos.