Claudio Natalino Bagnolli

Notebook do futuro

olpclead1

Para aqueles que querem o futuro na ponta dos dedos, a espera está quase no fim. Os computadores do futuro prometem colocar quase tudo o que você precisa na palma da sua mão.

Pensar numa versão mais avançada dos smartphones atuais que tenham telas que se desenrolam e viram um grande monitor ou em sistemas de segurança biométricos que nos permitam acessar toda a nossa vida profissional e pessoal de qualquer lugar, com dados armazenados “na nuvem” (cloud computing) não parece tão futurista assim. O próximo passo será pagar contas com um único toque num botão enquanto você toma seu café da manhã ou acenar com o braço para trancar a porta do carro.

Que os computadores do futuro serão mais inteligentes e menores, todo mundo concorda. Entre os especialistas, também é quase consenso que os notebooks de 2019 não vão se parecer nem um pouco com os laptops atuais. Eu mesmo não consigo enxergar as pessoas carregando algo que se pareça com um livro. Acredito que os computadores vão se parecer mais com um telefone ou um relógio de pulso e terão cada vez mais funções.

Um dos exemplos de uso dos computadores do futuro seria com as pessoas idosas, que precisam de ajuda para viver de forma independente. Eles podem carregar seus PCs como um relógio e a máquina os lembrará de tomar os remédios na hora certa. Ou então um técnico, que pode ter seus PCs nas lentes do óculos, permitindo-o acessar informações por meio dos monitores embutidos ou mesmo compartilhar com sua equipe o que está vendo por meio de câmeras instaladas na lente.

Tchau, teclado! Tchau, mouse!
No futuro, há uma grande chance de você precisar se despedir de seu teclado, mouse e monitor.

Os periféricos serão substituídos por versões projetadas. “Os dados poderão ser processados de várias formas, como tabletops (caso do Microsoft Surface), telas de TV e celulares com monitores multi-touch mesmo na posição vertical (como a apresentada pela Perceptive Pixel), e-paper (papel eletrônico) ou qualquer superfície clara poderá servir para projeção, assim eu acredito que seja.

Não estamos longe de precisarmos escolher apenas entre monitores “full-size” ou versões miniatura encontrada em portáteis. Mais à  frente, o teclado se tornará obsoleto e será substituído pelo holograma.

Dê adeus às tomadas e fios também. O wireless irá dominar no futuro e seu PC possivelmente receberá energia de outros modos. Alguns especialistas apostam na indução magnética, enquanto outros, acham que a tendência é mesmo captar energia do ambiente – da luz ou calor, por exemplo.

Apesar de os especialistas apontarem que o futuro está mais na virtualização que no dispositivo, os PCs também vão mudar fisicamente. Para começar, as telas serão mais flexíveis, ajustáveis para o modo desejado pelo usuário.

Há pesquisadores trabalhando em produtos programáveis que contenham microprocessadores de armazenamento embutido. Assim, as telas podem salvar sozinhas o material apresentado e ser programadas para se “moldarem” fisicamente, conforme o tipo de material a ser exibido.

Os especialistas lembram que nenhuma dessas tecnologias deve estar pronta para o mercado em 2019, mas estarão bem perto de acontecer.

Na verdade, muitas dessas tecnologias já estão por aí­, mesmo que em suas formas primitivas. Porém, nada que usaremos daqui dez anos está disponível agora, pois toda inovação tecnológica aparece como protótipo por muitos anos antes de se tornar um produto final.

O PC do futuro é uma “máquina de contexto”, que saberá sua localização e o que você está procurando, e vai perceber quando algum amigo seu está por perto e lembrá-lo qual o nome dele e sobre o que vocês conversaram da última vez que se encontraram.

“A máquina vai carregar sozinha a informação que você quiser. Ela será seu telefone, seu e-mail, seu escritório, sua secretária, sua confidente, seu centro de entretenimento e seu videogame”,  o computador em 2019 será tão personalizado que “não haverá mais distinção entre máquina pessoal e máquina do trabalho. O computador será simplesmente a SUA máquina”.