André Ricardo Rogério

Colar de Trovas – Homenagem a Lilinha Fernandes

lilinha

01

Do pomar da poesia,

os frutos que você trouxe,

coube à trova a primazia

por ser menor e mais doce.

(Lilinha Fernandes)

02

Por ser menor e mais doce

das formas de poesia,

a trova é como se fosse

nosso mel de cada dia.

(Arlindo Tadeu Hagen)

03

Nosso mel de cada dia

a adoçar os corações;

ameniza a nostalgia,

suscita em nós emoções!

(Lucilia Decarli).

04

Suscita em nós emoções,

essa poesia suprema…

Tal qual as quatro estações,

quatro versos e um poema!

(Edy Soares)

05

Quatro versos e um poema

com rima pura e sonora,

pra espantar qualquer problema

e a tristeza ir-se embora.

(BessanT)

06

E a tristeza ir – se embora,

desse coração ferido.

Por favor não vejo a hora,

de rever você, querido !

(Gleyde)

07

De rever você, querido ,

eis minha doce ilusão,

tenho ainda bem dorido,

meu dorido coração.

(Olga Maria)

08

Meu dorido coração

(dorido??? Ah! deu pra entender!)

vive nesta confusão

entre ser teu.. ou não ser…

(Ouverney)

09

Entre ser teu…ou não ser

Oh! Que dúvida cruel,

no teu amor quero crer

eu vou te amar Samuel!

(M. Zilnete)

10

Eu vou te amar Samuel!

És meu anjo protetor,

Deus te deu esse papel:

cuidar de mim com amor.

(Aurineide Alencar)

11

Cuidar de mim com amor,

com zelo e fidelidade,

dá à união mais sabor

e só traz felicidade.

(Ester)

12

E só traz felicidade,

a todo irmão trovador,

viver na boa irmandade,

espalhando paz e amor!

(Luzimagda)

13

Espalhando paz e amor,

em todos os seus caminhos,

com valoroso labor,

sempre cheio de carinhos.

(Ruth Hellmann)

14

Sempre cheia de carinhos

amor, beleza e atenção,

a trova não tem espinhos,

fica bem em qualquer mão.

(Romilton Faria)

15

Fica bem em qualquer mão

A fina flor da poesia

Entre métrica e oração

No verso de cada dia.

(Aida Maria)

16

No verso de cada dia,

floresce a minha emoção,

pois eu planto na poesia,

a trova, ainda, em botão!

(Marília)

17

A trova, ainda, em botão

já exala seu odor…

Desabrocha o coração

em quatro versos de amor!

(André Ricardo)

18

Em quatro versos de amor

preencho o meu coração

que será gerenciador

quando eu sentir solidão.

(Talita Batista)

19

Quando eu sentir solidão,

já sei onde vou parar…

Fazer versos de montão

e a solidão acabar!

(regin@)

20

Se a solidão acabar,

sobre a terra em desvario,

o sonho vai derramar

a esperança em meu vazio.

(Dáguima Verônica)

21

A esperança em meu vazio

me leva a crer no amanhã

e a trova é meu desafio

em meu poético afã.

(JC)

22

Em meu poético afã,

milhões de trovas faria,

Colhendo-as toda manhã

do pomar da poesia.

(JC)

 

André Ricardo Rogério