Apucarana Geral

Chuva gera prejuízo de R$10 milhões e Apucarana decreta situação de emergência

reuniaochuvaapucarana

Estimando em R$10 milhões os prejuízos causados pela chuva que atingiu o município entre sábado e terça-feira (09 a 12/01), o prefeito Beto Preto assinou nesta quarta-feira (13/01) decreto instituindo situação de emergência em Apucarana. O ato aconteceu no prédio da Prefeitura de Apucarana após uma reunião com membros da Comissão Municipal de Defesa Civil, Comando do Corpo de Bombeiros, Procuradoria Jurídica Municipal e secretários municipais Othoniel Gonçalves (Governo), Herivelto Moreno (Obras) e Éwerton Pires (Meio Ambiente), onde foi apresentado um relatório dos danos já identificados.

Além de causar muitos problemas à malha viária e deixar 100 mil apucaranenses sem água devido rompimento de adutora, o que comprometeu a captação, tratamento e distribuição pela Sanepar, a precipitação pluviométrica que chegou a quase 400 milímetros cúbicos no período, causou ainda o rompimento das cabeceiras da ponte que liga a cidade a Rio Bom e queda completa de pelo menos seis pontes na zona rural.

Outra situação que deixa as autoridades em alerta é o grande volume de água que chegou às represas dos parques Redenção e Raposa, e às lagoas do Schmidt e do Contorno Sul (antigo pesque-pague social e baia da PM). “Infelizmente é uma ocorrência da natureza que não temos como controlar. A quantidade de água foi muito grande e agora temos que agir no sentido de fazer o que precisa ser feito para repararmos todos os danos. Graças a Deus foram somente prejuízos materiais, não tivemos perdas de vidas humanas e nem desabrigados”, pontuou o prefeito.

Ele aproveitou o momento para parabenizar o empenho das equipes da defesa civil, Corpo de Bombeiro e Sanepar. “Todos fizeram e continuam fazendo um trabalho intenso e dedicado”, disse.

A defesa civil de Apucarana tem até o dia 21 de janeiro para concluir o relatório de danos e enviar ao Governo do Estado para homologação da situação de emergência. “Estivemos acompanhando as ocorrências de perto desde o início. Está sendo tudo catalogado, fotografado para que possamos obter ajuda por intermédio da Defesa Civil Estadual”, observou Edinei Francisco da Silva, diretor operacional da Comissão Municipal de Defesa Civil.

O secretário de Obras, Herivelto Moreno, lembra que Apucarana vem sofrendo com danos causados pelo excesso de chuva desde julho do ano passado, quando também foi decretada situação de emergência. “São problemas que necessitam de altos valores financeiros para serem sanados. Nossa malha viária, de cerca de 600 quilômetros, é em grande parte antiga. Ainda temos 500 quilômetros de estradas rurais e 76 pontes, que exigem sempre manutenção. As represas da cidade são outro problema, que merecem atenção. A do Contorno Sul e a do Schmidt, por exemplo, requerem mais atenção”, disse Moreno.

De acordo com vistoria realizada pelo secretário de Meio Ambiente, Éwerton Pires, a situação mais preocupante é a represa do Schmidt. “Ela está com a comporta comprometida devido toneladas de entulho e a água está saindo pelo ladrão. Um rompimento geraria consequentemente problemas junto à represa do Parque da Raposa”, alertou Pires.

Para o comandante do Corpo de Bombeiros de Apucarana, Major Hemerson Saqueta, os problemas causados pela chuva só não foram maiores na cidade devido a existência de um plano de contingência. “Assim como Maringá e Londrina, centros maiores, Apucarana está, com este decreto, mobilizando-se para recuperar as perdas. Contudo, quem se prepara mais sofre menos. O município só não registrou problemas maiores porque possui um plano de contingência onde a Defesa Civil mantém catalogados todos os pontos sensíveis (área urbana e rural), locais para possíveis alagamentos, empresas que podem auxiliar com máquinas”, citou o comandante.

Programação de aniversário da cidade não terá shows

Após instituir situação de emergência para o município, o prefeito Beto Preto lamentou a necessidade de cancelar a contratação de shows musicais para comemorar os 72 anos de emancipação política-administrativa da cidade, no próximo dia 28. “É uma notícia triste, que não gostaria de dar, mas necessária. Teremos muitos gastos para colocar em dia a manutenção da cidade, por isto após entendimento com a comissão organizadora, presidida pelo nosso procurador jurídico Paulo Sérgio Vital, decidimos por não contratar. Não há clima festivo neste momento”, ponderou o prefeito.

O custo estimado com a contratação dos shows era de R$200 mil. “A curto prazo, temos pela frente a recuperação da ponte do Rio Bom, a malha viária, a questão das represas, e tudo isso terá que sair do caixa do município”, disse Beto.

Apesar do cancelamento dos shows, está mantida a 54ª Prova Pedestre XVIII de Janeiro e a Vinteointinha, que acontecem dia 30 de janeiro. “Teremos ainda algumas inaugurações de obras, uma creche ou uma escola, que até o final da semana devemos estar oficializando”, concluiu o prefeito.

Fonte: Prefeitura Municipal de Apucarana